terça-feira, 8 de janeiro de 2008

hoje

Hoje, apenas um silêncio delicado.
Hoje, só o suspiro, a dor compartilhada,
A ausência e a falta, o lugar vago, o espaço não ocupado.
Hoje não tem música, não tem palavra, não tem ruído
nem assobio que ouse romper o silêncio.
Hoje só a vida paira, do início ao fim,
Magnânima, transcendente, inesperada.

Um comentário:

Eliza Rizo disse...

É verdade......esse dia 8 de janeiro foi estranho.
Mesmo de longe a gente sentiu o vazio...
E a vontade de abreviar a dor de um amigo...

beijos lucinha!
boa semana.